CACAU: UM ALIMENTO COM GRANDE CAPACIDADE ANTIOXIDANTE

O cacaueiro é uma árvore da família Sterculiaceae, gênero Theobroma. É originário do continente Sul Americano, provavelmente das bacias dos rios Amazonas e Orinoco, onde foi encontrado em condições naturais, sob o dossel de grandes árvores da floresta tropical. No início do século XVII, o cacau (fruto do cacaueiro) foi citado pela primeira vez na literatura botânica por Charles de L’Écluse, que o descreveu com o nome de Cacao fructus, porém, em 1737, foi classificado por Linneu como Theobroma fructus, para só então, em 1753, ser modificado para Theobroma cacao, denominação que possui atualmente.

O cacaueiro é uma planta perene, haja vista seu ciclo produtivo poder ultrapassar os 100 anos, com início da produção econômica a partir dos seis anos após o seu plantio. A semente é a parte utilizada, após fermentação e secagem, para a fabricação de chocolate, cacau em pó ou nibs de cacau.

 

HISTÓRIA DO CHOCOLATE

Dentre todos os "doces" disponíveis no mundo, o chocolate é provavelmente um dos mais desejados e consumidos – se não o mais. Dificilmente encontramos alguém que diz não gostar desse produto feito a partir do cacau.

A primeira barra de chocolate sólida, feita com manteiga de cacau, pó de cacau e açúcar foi desenvolvida em 1847 pela J.S. Fry & Sons, uma empresa britânica. Todavia o consumo de chocolate tem uma história bem mais antiga. Culturas pré-olmecas, no México, por exemplo, já produziam chocolate no ano 1900 a.C.

Esse chocolate era consumido como uma bebida amarga, onde os grãos de cacau eram fermentados, torrados e moídos, criando-se uma pasta a qual era misturada com água. Essa bebida era adoçada com mel e enriquecida com temperos como pimenta e baunilha.

Durante muito tempo o chocolate foi considerado símbolo de luxo e riqueza e suas sementes ainda foram vastamente utilizadas como dinheiro pelos povos astecas e maias.

 

BENEFÍCIOS DO CACAU E DO CHOCOLATE AMARGO

O cacau tem um longo histórico de utilização como alimento e medicamento. Os europeus, no século XVI, utilizavam o cacau e o chocolate (líquido) como veículos de medicamentos, além de considerá-los por si só como remédios naturais. Na forma isolada ou em combinação com ervas e plantas, o cacau e o chocolate eram utilizados no tratamento de desordens digestivas, dores de cabeça, inflamações e insônias.

De acordo com Schroeter et al. (2006) [1], a epicatequina é o componente ativo do cacau responsável pelos efeitos benéficos à saúde vascular. Há um crescente número de estudos que comprovam os benefícios proporcionados pelos flavonóides do cacau na prevenção e na diminuição do risco de determinadas doenças.

O cacau cru é realmente muito amargo, isso se deve aos quase 400 polifenóis contidos em sua composição. Por tanto, se tratando de chocolate, quanto mais amargo mais polifenóis estarão presentes e maiores serão os seus benefícios. Por isso é crucial que escolhamos chocolates com alto teor de cacau e com o mínimo de açúcar (ou sem), de preferência feitos com matéria prima orgânica. O mesmo vale para o cacau em pó. 

 

CHOCOLATE AMARGO VS OUTROS "CHOCOLATES"

É importante deixar bem claro que nem todo chocolate é produzido da mesma maneira, e quando se ouve falar dos benefícios do chocolate, certamente é do chocolate amargo autêntico de que está se falando e não da maioria das versões oferecidas hoje no mercado.

Para neutralizar a amargura, a maioria dos chocolates é adoçada, portanto existe aí uma questão de saber balancear o benefício nutritivo com a palatabilidade. Para colher todos os benefícios do cacau sem precisar se expor ao consumo excessivo de açúcar escolha sempre chocolates com concentrações mínimas de 75% de cacau.

Estudo publicado no International Journal of Cardiology submeteu indivíduos ao consumo de uma dose diária de chocolate amargo (rico em flavonóides) ou chocolate branco (sem flavonóides) por duas semanas. Os resultados mostraram que o chocolate amargo melhorou significativamente a circulação sanguínea em adultos saudáveis. O chocolate branco não teve nenhum impacto positivo na saúde dos indivíduos.

 

PRINCIPAIS COMPOSTOS DO CACAU E SEUS BENEFÍCIOS

Os principais polifenóis encontrados nas sementes de cacau são os taninos e os flavonóides. Os flavonóides presentes incluem: flavanóis, flavonóis, antocianinas, flavonas e flavanonas. Dentre estes, os flavanóis são os mais abundantes, sendo a catequina e a epicatequina seus principais representantes. Vários estudos confirmaram que o cacau beneficia o coração, os vasos sanguíneos, o cérebro, o sistema nervoso e pode ajudar no combate ao diabetes e outras condições enraizadas na inflamação. Por exemplo:

  • Em metanálise de 2011 descobriu-se que comer chocolate poderia reduzir os riscos de doença cardiovascular em 37% e de acidente vascular encefálico (AVE) em 29%;

  • Em uma outra metanálise, essa de 2012, descobriu-se que o cacau/chocolate reduziu o grau de resistência à insulina, bem como melhorou a pressão sanguínea e aumentou a elasticidade dos vasos sanguíneos;

  • Artigo publicado na Oxidative Medicine and Cellular Longevity compilou os efeitos benéficos dos polifenóis do cacau em doenças cardiovasculares e inflamatórias, distúrbios metabólicos e na prevenção do câncer. Segundo autores, cacau possui cerca de 380 compostos conhecidos, tendo capacidade antioxidante superior à de alimentos como chá verde, chá preto e vinho tinto.

 

CACAU E CHOCOLATE AMARGO CONTRA DOENÇAS

Além de ser rico em polifenóis, cacau também apresenta outros nutrientes, como: gorduras saudáveis – em maior parte gorduras saturadas (se você ainda vive o paradigma da gordura saturada, não deixe de ler esse artigo); compostos nitrogenados – proteínas, metilxantinas (teobromina e cafeína); e minerais – como potássio, fósforo, cobre, ferro, zinco e magnésio. Devido ao conjunto total de nutrientes, cacau e chocolate amargo podem atuar na geração de saúde e no combate a várias doenças e condições:

Excesso de radicais livres

O cacau/chocolate amargo tem um conteúdo de polifenóis realmente alto, o que pode oferecer proteção extra contra o excesso de radicais livres e suas doenças relacionadas.

Pressão alta de diabéticos

Um estudo publicado em 2015, envolvendo diabéticos do tipo 2, comparou o consumo de chocolate branco com o consumo de chocolate amargo. Os indivíduos foram divididos em dois grupos, sendo que os participantes de um grupo consumiram chocolate amargo e os do outro grupo consumiram chocolate branco, ambos em uma quantidade de 25 g, durante oito semanas. Os pesquisadores observaram que o chocolate amargo não apenas reduziu a pressão arterial dos hipertensos diabéticos como também diminuiu a sua glicose sanguínea em jejum.

Perda cognitiva

Em estudo publicado no Nutrients, noventa e oito jovens saudáveis com idades entre 18 e 24 anos consumiram uma barra de 35 g de chocolate amargo ou uma de 35 g de chocolate branco de valor calórico equivalente com baixo teor de flavonóides. Memória episódica verbal e humor foram avaliados antes do consumo e 2 horas após o consumo. As análises mostraram que o chocolate amargo foi associado a um melhor desempenho da memória verbal para várias medidas de resultados do Teste de Aprendizagem Auditivo-Verbal de Rey em comparação ao chocolate branco.

Condições diversas

Pesquisas evidenciam que o cacau possui efeitos anti-inflamatório [2], anticarcinogênico [3], antitrombótico [4], cardioprotetor [5, 6], restaurador da flora gastrointestinal [7], melhorador da função hepática [8], neuroprotetor [9], potencializador da resistência física [10], protetor da pele [11, 12], protetor da visão [13, 14], retardador da progressão da periodontite [15], protetor contra pré-eclâmpsia em grávidas [16].


BÔNUS

Existe um alimento da mesma família do cacau que algumas vezes também é utilizado na fabricação de chocolates e não diferentemente possui propriedades interessantes. Seu nome é cupuaçu e sua árvore cresce na bacia amazônica, podendo alcançar aproximadamente vinte metros de altura. O cupuaçu (fruto do cupuaçueiro) possui uma polpa branca de sabor agradável que lembra uma mistura de chocolate e baunilha.

Esse alimento age no organismo como um excelente regulador da homocisteína na corrente sanguínea, já que possui antioxidantes e vitaminas do complexo B. Homocisteína se trata de um aminoácido criado no organismo como resultado da oxidação. Essa substância é inofensiva quando presente em níveis normais, no entanto em níveis mais elevados ela pode agredir as artérias, predispondo a doenças cadiovasculares e mal de Alzheimer.

Além disso, cupuaçu tem alguns compostos complementares, como quercetina – importante para a musculatura cardíaca e para a produção de mitocôndrias, aumentando a energia das células e do coração –, epicatequina – composto que preserva a função do sistema cardiovascular, melhorando as paredes das artérias e as válvulas cardíacas –, glucuronidas – compostos que se ligam a toxinas hepáticas, favorecendo a sua eliminação – e compostos polifenólicos – varredores de radicais livres e protetores do DNA.


 

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Cacau é um alimento com alto teor antioxidantes, mas alguns cuidados são necessários no momento de escolher o seu chocolate amargo ou cacau em pó. Procure sempre por chocolates amargos legítimos – com baixos teores de açúcar e que contenham no mínimo 75% de cacau –, bem como por cacais em pó minimamente processados – como observado no artigo da Oxidative Medicine and Cellular Longevity referenciado antes, os nutrientes do cacau são reduzidos significativamente pelo processamento.

A forte amargura das sementes de cacau cruas se deve à sua alta concentração de polifenóis. No entando para algumas pessoas o cacau é praticamente não comestível por causa dessa amargura. Muitos fabricantes de chocolate, então, acabam diminuindo o teor de polifenóis de seus produtos afim de deixá-los mais palatáveis. Como resultado, você encontra disponível no mercado chocolates com variações significativas de polifenóis, fato que só enfatiza ainda mais a importância de escolher um produto de alta qualidade.

Uma outra ótima opção, além do chocolate amargo e do cacau em pó, são os nibs de cacau – pequenos pedaços de cacau –, os quais podem ser consumidos inteiros ou triturados. Você pode triturá-los com a ajuda de um moedor de café e deixá-los prontos para adicionar em suas receitas. Dito isso, acerte na escolha do seu chocolate, cacau em pó ou nibs e desfrute de todo o sabor autêntico e benefícios do cacau.


Referências:

 

Voltar